Da minha gaveta – II

porto.jpeg 

Carta de amor a uma cidade mulher

Tenho dito, muitas vezes, que não gosto de cidades acessíveis, belas e vistosas como uma mulher dada, oferecida, fácil.

Há cidades que nunca me conquistaram precisamente porque se deram à conquista passeando virtudes e carácter que não têm. Engraçam com tudo. E até com os homens e mulheres que as ferem e magoam. Irremediavelmente tornam-se fúteis, banais, permeáveis até não poder mais. O seu rosto continua a ser belo, por vezes esplendoroso. Mas essas cidades são feridas abertas nas gentes que têm de viver nela. Com ela.

Não gosto de cidades falsas, traiçoeiras, como não se gosta de pessoas com idênticas características.
Uma cidade quer-se terra firme na entrega, golpe de asa no imaginário, abrigo de tempestades e sonho de algodão doce.

Esta cidade que amo não é, pois, mulher fácil.

O Porto, a cidade mulher que me veste por dentro, botou cara feia desde o primeiro momento em que a vi com olhos de ver. De feitio difícil, por vezes de mão na anca, desafiadora, fez de mim gato-sapato, não foi em palpitações de momento.

Apaixonado, quis levá-la para a cama, seduzi-la, enrolá-la em arrebatamentos de ocasião. Mas esta cidade mulher não foi na cantilena e sempre pediu certezas de coração.

Vaidosa e orgulhosa, senhora do seu nariz, amiga de Tóinos e Rosinhas, burgueses e plebeus, engenheiros e doutores, sabem aqueles que lhe mereceram a confiança que ser desta cidade mulher é ser dela até morrer. E ela nossa.

Esta cidade mulher não é dada, oferecida, a quem por ela passa ou se enamora.
Esta cidade mulher pede enlevo, dedicação, um fazer das tripas coração. Não vai em modas, em palavra fácil e reinação.

Esta cidade mulher quer ser amada, desejada, na carne e no osso, com poesia de granito e quotidianos vividos por inteiro. Cidade de intimidades, de vida vivida ao relento, sem subterfúgios nem desditas, esta cidade que amo, onde vivo e que me tem, possui-me quando quer e como quer, aqui e agora ou mais além.

Quero dizer-te cidade que és para mim vício, enigma e intimidade, penhor de todos os meus actos. Conheço a tua história de existências duras, vidas aziagas, o teu carácter amante de liberdade e a tua personalidade feita de cara posta aos ventos do avesso.

Quiseram-te domada e dócil. Fiel. Mas tu, mulher cidade adiada, agredida e violentada, foste ao lado selvagem, sadio, brutal, tosco e sincero dos teus dias buscar, como o poeta, a trave-mestra do teu coração. Leal e digna.

Por isso te amo, cidade, no que és de generosa e de pouco ou nada razoável e em todos os exageros que te fazem perfeita.
Por isso te amo no antes quebrar que torcer, no teu ar embevecido de cascata.
Por isso espero que habites o meu pensamento em cada canto do mundo, nem que seja com memórias das gaitas e buzinas em folias de azul e branco ou mares carregados de gente rapioqueira.

Minha cidade, meu amor, meu equilíbrio quando tudo falta.

Minha presumida e orgulhosa, bairrista, minha cidade reduto de virtudes.

Amo-te na morrinha e nas sardinheiras à varanda. No mapa do tesouro de arcos, ruas e vielas. Amo-te da Ribeira até à Foz, marginal, biografia de nós. Amo-te no tasco com portas de filmes de cowboys, nas utopias tacteadas, nos bês e nos vês dos afectos, nos sorrisos rasgados de bandeiras. Amo-te nas tuas veias de bairros e vivendas, sem distinções. Amo-te como quem fala para dentro de ti, como quem conversa com os seus botões.

Enterneço-me com o teu jeito de amar a curva sensual do rio, com esse teu lado vadio, de pregão, carregado de ternuras e desesperos. Tenho ciúmes desses homens que são moradas de ti, Germanos e Pachecos, Pinas e Eugénios, esses que te escreveram e escrevem como ninguém, que conhecem as tuas entranhas porque, no fundo, são também as deles.

O Torga, Miguel, poeta maior, disse: «Os grandes sentimentos são como as grandes alturas: chamam demais por nós. Obrigam-nos a uma tensão contínua, ilimitada, que só se mantém à custa de maceração e luta».

Amo-te minha cidade de madrugadas bebidas em encantamentos, cidade de vidas traficadas nas vandomas e carolice à tripa-forra.

Amo-te mesmo quando te vestem de progressos, desenvolvimentos e modernices de encomenda. Amo-te sobretudo quando as gentes e os hábitos que constroem o teu quotidiano resistem a ser moldadas por burocratas e pantomineiros, cheios de certezas sobre a cidade que não amam, não desejam e que não conhecem na sua geografia sentimental.

Moro dentro de ti, cidade, mulher.

Nas caminhadas pela ponte mais velha, nas prateleiras das lojas e mercearias, no amendoim mordido na esplanada do rio, no tremoço tasquinhado, no eléctrico da marginal, na vista de uma janela para o rio.

Moro na tua graça tripeira, nos teus comeres, nos teus beberes, na tua pantagruélica maneira de servir a vida, de consumi-la fazendo caretas a consumições.

Visto as tuas dores, que são minhas, e canto pelos cantos as tuas alegrias e amores. Gosto de ti sensual, sôfrega, traquina, por vezes brejeira, de peito aberto a quem amas e sarrafo no coiro de quem te desmente.

Cidade, mulher da minha vida, sabes uma coisa? O Torga dizia que para estas clarificações, para explicar este território e tradições postos assim ao léu, genuínos, são os sábios e os ilustres os menos indicados.

O teu nome, cidade, mulher, quer-se pronunciado sem veludos de linguagem, sem tiques aperaltados. O teu nome quer-se sabido de cor e salteado por gente simples catando a luz do sol e por todos os cúmplices, ricos e pobres, de nostalgias, crepúsculos, memórias, valores firmes como pedra dura e amanhãs apregoados em dizeres comuns.

A ti, cidade, mulher, não te troco, não te renego e te prometo: de ti não deserto. Pago o preço de ser teu, de seres minha, de querer morar no teu corpo e onde o rio faz a curvinha. Cidade, mulher, queria fazer-te um filho. E deixar que cresças nele como um dia te fiz minha. Cidade, amor, amante, amiga: deixa-me envelhecer contigo até já não ser dia!

Porto, um dia de Junho de 2006

M.C.

About these ads

9 thoughts on “Da minha gaveta – II

  1. Ao Porto, nunca se volta. Porque do Porto nunca se sai. Para a vida.
    A sala de visitas está aberta, sempre. Apareçam.
    Beijinhos

  2. Esta minha cidade,
    não é aquela onde nasci,
    mas aquela que adoptei para minha mãe, irmã, amiga.

    … vivia nesta cidade toda a minha vida… comungava-me com ela todas as manhãs, bebia o seu cálice à tarde e despia-me nela à noite.

    Esta cidade, que a adoptei como minha, faz-me mulher, e com ela me pinto de azul e branco.

    Esta cidade esta minha cidade, onde quero deitar-me, e sentir o sal da vida, e estender-me no mar quando já não tiver vida.

    Eu amo o Porto, o teu texto é tudo o que se sente quem tem esta cidade dentro.

  3. É assim a nossa cidade. Ás vezes meiga, outras rude, mas sempre fiel aos que a amam, deixando-se descobrir e entregando-se como uma mulher com uma educação de pudor e um espírito libertino.

    Até sempre Miguel.

  4. Entrei aqui porque precisei te dizer que você me fez chorar com essa imensa declaração amor ao Porto. Seu texto me fez entender definitivamente porque, depois de conhecer tantas cidades fantásticas pelo mundo afora, fui me apaixonar por esta sem mais nem porque.
    Só estive aí por 7 cabalísticos anos e me surpreendo cheio de saudades dela…de caminhar sem lenço nem documentos por suas ruas…de olhar nos olhos dos espectadores ao final dos muitos espetáculos que realizei aí…de sentir tesão por homens e mulheres passeando nessas ruas seculares como me ensinou Whitman…….enfim, você clareou minhas idéias a respeito desse amor despirocado que nunca havia podido entender…..
    Eu sei que nós brasileiros somos derramados e exagerados nesses assuntos de afetos, mas juro que desta vez tô sendo comedido ao falar desse amor que eu não entendia, mas que agora entendo.
    E tudo isso por culpa do seu texto.
    Toma aí um abraço apertado procê

    PS- Menino!!! E como você escreve bem, garoto!!!!!!! (risos)
    O Torga se orgulharia desse portuguesinho arretado!!!

  5. Sou tripeiro, e, sempre que escrevem algo sobre o meu Burgo, fico sem jeito. Obrigado MC
    Se um dia voltares ao Porto, terei todo o prazer em te mostrar o “verdadeiro” Porto
    Saude
    Xinano ( Fernando Eugénio )

  6. Este texto é uma verdadeira delícia! Só quem conhece e vive esta cidade com todo o coração consegue ler nele tudo aquilo que não está escrito. Obrigada por partilhares essa tua sabedoria e sensibilidade!

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s