Da cura e outras receitas

Xarope de cenoura. Leite com mel. Mel com limão em lume brando. Cama e líquidos. Muita. Muitos. Cama e vitamina C. Aguardente quente. Os amigos deram receitas úteis e variadas para os meus pingos e febres intermitentes e nevoeiros frequentes. Sei que estarão sempre por perto, nem que seja por causa de uma unha encravada. Mas o que me está a curar lentamente é esta árvore, desencantada por mãos meigas numa beira de estrada, que entrou ontem cá em casa e já iluimina todos os meus afectos. Que me perdoem os ambientalistas e afins, mas Natal sem pinheiro natural – e grande – não é Natal.