O bicho da maçã

A propósito do endeusamento do senhor Steve Jobs, para o qual contribuiram rebanhos de jornalistas muito «applicados» do Portugal sentado, eis uma outra versão – menos comercial, é certo – sobre os bastidores da inovação, da tecnologia e da genialidade associada ao patrão da Apple, falecido em Outubro do ano passado.

STEVE JOBS, O MAU PATRÃO
Por Fernão Lara Mesquita (jornalista brasileiro, blogue Vespeiro)

O “golpe do gato” consistia no seguinte. O sujeito ia lá para os mais miseráveis grotões do Brasil e oferecia uma boia de salvação. “Precisa-se gente disposta e decidida para trabalhar em frentes de desmatamento na Amazônia. Paga-se bem“.

Eram os anos 70 e as beiradas da Amazônia estavam tão longe do mundo com leis quanto um planeta distante.

O cara ia e logo se dava conta de que para comer, se vestir, tomar um remediozinho, ter qualquer contato com a civilização, dependia da estrutura montada pelo patrão. Só aí enxergava o outro lado da moeda. Na vendinha do patrão tudo custava 10 vezes mais caro. Mas podia ser comprado a prazo… Moral da história: o sujeito ficava devendo sempre mais do que ganhava e virava escravo.

O golpe arquitetado por Tim Cook para Steve Jobs, o mau patrão, é exatamente semelhante.

Tinha gente que se achava esperta ganhando dinheiro no mole nos Estados Unidos explorando, aqui e ali, condições de trabalho na China que, em casa, os meteria na prisão. Mas isso já tinha se tornado uma commodity. Mortos os concorrentes mais “patrióticos” e “moralistas”, todos os que tinham sobrevivido eram igualmente “modernos”. Explorar miseráveis chineses já não era mais um fator definitivo de sucesso.

Era preciso “inovar”.

O obcecado Jobs tinha o homem certo para o momento certo. E sentiu que esse momento chegara. Lá se foi Tim Cook para a China para descobrir onde estavam as “novas oportunidades de aprimoramento de gestão e ganhos de escala” sobre a miséria chinesa.

A China é um país novo, apenas emergindo do pesadelo maoísta que, debaixo de porrada, levou aquele quarto da humanidade de volta para a idade média sob o aplauso entusiasmado de boa parte da inteligentsia ocidental. Zero de industrialização. Tudo por fazer; nada por reformar.

“É isso“, pensou Tim!

Depois de espremida a laranja até ao bagaço dentro dos limites das legislações de trabalho civilizadas, o Ocidente andava, ultimamente, apertando parafusinhos nas cadeia de fornecimento para obter pequenas vantagens competitivas. Mas a coisa acabava batendo sempre na dispersão das estruturas existentes e na dificuldade e no custo de reorganizá-las.

Na China não. Onde antes não havia nada não era preciso derrubar para construir ou deslocar para abrir espaços. E, especialmente, não era necessário perder muito tempo fazendo contas. Lá estava o Estado chinês e seus ávidos e todo poderosos funcionários, fiscais de si mesmos, para pagá-las quaisquer que fossem.

Tem mais que um dedinho da Apple essa Chengdu, no Sudoeste da China, onde brotou do chão o maior, mais rápido e mais sofisticado “polo de manufaturas” do planeta Terra.

Ali pode-se realizar o sonho de todo fazedor de contas ambicioso: uma fabricazinha para cada componente, umas vizinhas das outras, com centros de montagem espargidos pelo meio, alimentando-se mutuamente com transporte e estoque zero; uma força de trabalho sem nenhum direito constituído, flexível o suficiente para ser jogada pra lá e pra cá, a qualquer hora do dia ou da noite, para atender milimetricamente, para cima ou para baixo, as flutuações da demanda.

E tudo pago a preço vil.

Maravilha!

Mas o melhor ainda estava por vir. Como a rede de fornecedores e de fornecedores dos fornecedores constituía-se para atender a um único cliente – a Apple – este ficava com a faca e o queijo na mão.

No primeiro ano as coisas corriam conforme o combinado. Mas a cada renovação de contrato, Steve Jobs arrancava mais 10% de seus “parceiros”.

“Não gostou? Ok. Procure outro comprador. Ou feche as portas” (os diálogos são imaginários).

Espremidos contra a parede, toca cortar custos.
E foi se desenhando o quadro que o New York Times descreveu numa série de matérias publicadas na semana passada):
•fabricas com até um milhão de operários trabalhando seis dias por semana sem sair de dentro da fábrica, dormindo amontoados em quartinhos, quase celas;
•cartazes “à la Aushwitz” dominando os salões de montagem: “Trabalhe duro na tarefa de hoje ou você terá de trabalhar duro para arranjar outro trabalho amanhã“;
•“castigos” para quem chega atrasado à sua bancada variando entre “escrever autocriticas”, copiar centenas de vezes a mesma frase ou fazer flexões no chão da fábrica;
•casos comprovados de “trabalho involuntário” (prisioneiros do regime, talvez?);
•instalações muito mais que precárias, cada vez mais inseguras: repetem-se em escala crescente as explosões, com mortos e queimados, de salões de montagem sem ventilação pela acumulação de pó de alumínio (do seu lindo iPad);
•empregados envenenados pela substituição de álcool pelo ultra cancerígeno n-hexano, que evapora três vezes mais rápido, na limpeza das telas dos iPhones montados (mais iPhones limpos por pulmão intoxicado);
•salários de fome;
•exploração de menores…

A lista segue em frente.

Sob pressão de ativistas chineses, ONGs dos próprios Estados Unidos e até de organismos do Banco Mundial, a Apple, durante anos, finge que não é com ela. Quando percebe que não dá mais, institui comissões e relatórios anuais de “responsabilidade social” e “normas mínimas de segurança e condições de trabalho. Mas, alegando a necessidade de segredo industrial, não revela a sua lista de fornecedores.

Depois da onda de suicídios na Foxconn, cede e “revela” o nome de 156 deles. Reporta punições cosméticas contra alguns deles. Mas os casos de envenenamento e as explosões se multiplicam nos fornecedores desses fornecedores, ainda “secretos”…

“Se você se depara com os mesmos problemas nos relatórios, ano após ano, é porque a companhia os está ignorando em vez de tentar resolvê-los“, diz um funcionário graduado da Apple pedindo anonimato.

Em compensação os números da companhia são estonteantes. Steve Jobs brilha. É tão bom para inventar e desenhar quanto é para gerir. Eu mesmo caí no logro. A Apple desliza de braçada por sobre o lodo da miséria chinesa, até chegar ao fantástico lucro de US$ 13,06 bilhões de dólares sobre US$ 46,3 bilhões em vendas em um único trimestre anunciados na semana passada.

São esses números que provocam reuniões sem fim entre os concorrentes e a fila crescente dos “I wanna be Apple” pelo mundo afora: “Então, seus incompetentes! Cadê a sua performance? Não me venham com desculpas românticas. Eu quero é a satisfação dos acionistas“.

É o grito da dupla Cook/Jobs para o lumpen chinês, voltando como um eco maldito para o lugar de onde partiu. E dezenas, centenas de milhões de trabalhadores com direitos vão para a rua da amargura com a substituição da onda “monte seu produto na China” pelo tsunami do “exporte toda a sua cadeia de produção para a China“.

“Voltar atrás significaria deter o ritmo da inovação“.

A frase cínica que Steve Jobs usou para se defender num seminário onde era acusado de explorar a miséria alheia pouco antes de morrer, é a mesma que, de mr. Kim Dotcom, o megauploader de mercadoria roubada, ao MIT, passando pelo Google, os ingênuos e os habitantes do lado escuro de Silicon Valley repetem sempre que se lhes aponta as vergonhas desnudas.

“E não é isso o capitalismo?“
Não. Não é isso o capitalismo.

O capitalismo democrático (que antes não precisava ser adjetivado porque não havia outro que lhe pudesse fazer frente, a não ser o capitalismo bandalho que se diz capitalismo mas apenas bandalho é) é, precisamente, o sistema que coloca em campos opostos e nitidamente delimitados o Estado e o capital privado, cabendo ao primeiro fiscalizar o segundo e dizer-lhe, em nome do coletivo, até onde ele está autorizado a crescer, mesmo que jogando inteiramente dentro das regras do jogo.

O capitalismo democrático é aquele que sabe o perigo que o homem é.

É um corolário da democracia, invenção que muito poucos desfrutaram e que chegou ao auge com a criação da legislação antitruste feita para não permitir que nenhuma empresa se tornasse “grande demais para quebrar”, mesmo que por merecimento.

Este, da China, o capitalismo de Estado, requer escravos e não trabalhadores.
O fato da internet ter permitido que as ambições que antes estavam contidas por legislações antitruste nacionais hoje escapem delas para ir viver os bons tempos da lei da selva alhures prova apenas que a tal “inovação” que eles tanto invocam para justificar a sua sede de suor alheio não altera rigorosamente nada o pendor do homem de explorar o homem, se isto lhe for permitido.

About these ads

One thought on “O bicho da maçã

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s