Amigos Improváveis

Ao fim de uns meses, regresso nocturno a uma sala de cinema para comprovar a vitalidade e o humor do cinema francês. Não esperem de Amigos Improváveis grandes filosofias. Mas está aqui um filme bem apanhado, contagiante e surpreendente. Imperdível o desfile sonoro de Bach e Vivaldi comentado por Driss. Um adorável desconcerto, recheado de simplicidade e ironia farta. E uma interpretação para recordar de Omar Sy. (Ah! Imperdível a banda sonora, da autoria de Ludovico Enaudi)

Salazar, versão doméstica

Rosália Araújo, padeira de Favaios, tinha 14 anos quando entrou no palacete de São Bento e só saiu após a morte do Presidente do Conselho. Estas são as suas memórias, nunca contadas, sobre os derradeiros anos de vida doméstica de dois ditadores: António de Oliveira Salazar e D. Maria, a governanta.

VÍDEO http://visao.sapo.pt/video-a-pequena-que-fazia-rir-salazar=f656154