Etiquetas

Acabou a festa?

Presumo que sem indisposições ou espelhos por perto, o senhor presidente do BCP, citado por um diário a propósito do estado do País, proclamou: “Acabou a festa”. Aparte o carácter circense da frase, é pena que ninguém tenha perguntado o óbvio ao senhor Carlos Santos Ferreira: “Acabou a festa para quem?”. E já agora: “Que festa?”.

Entre gestores, banqueiros e alguns políticos de turno existe, pelos vistos, uma ideia generalizada: o português comum vive em permanente banquete, sempre acima das suas possibilidades, a armar em rico. Curiosa ideia esta que transforma a nova versão da sardinha para três num repasto de faisão. E ainda por cima, em permanência.

Devo ter andado muito distraído nos últimos tempos.
De facto, devem ser os gestores de grande porte, o “bloco central de interesses” e os bancos, coitadinhos, que têm levado o País por bons caminhos e sem turbulências. Eles cumprem, está bom de ver, a espinhosa missão de nos colocar nos eixos. E nós, os delinquentes, teimamos em sair fora dos trilhos. Fica-se assim a saber, por exemplo, que assuntos relacionados com negócios de sucatas, aeroportos, privatizações, BPP´s, BPN´s, PT´s e submarinos fazem parte de um modelo de gestão rigorosa e acima de qualquer suspeita. Nós, pelos vistos, é que abusamos do “filet-mignon” e estamos a prejudicar o País. Somos, no fundo, uma despesa social incomportável. E dispensáveis nos intervalos entre eleições.

Por este andar, a democracia também terá custos insuportáveis.
Já faltou mais.

M.C.

About these ads